Notícias

KOKKA SPORTS | Com o excesso de prorrogações na Copa, treinadores aprovam ideia da quarta substituição

Categoria: André Jardine, Notícias
Fotos: Divulgação

Dos oito jogos disputados pelas oitavas de final da Copa do Mundo 2014, cinco foram para a prorrogação. Em duas partidas, foi necessária a decisão por pênaltis. Os gols não deixaram de acontecer no tempo extra, mas foi visível a dificuldade física de muitos jogadores. Cãibras foram registradas em atletas altamente preparados. Alguns deles, se arrastaram em campo.

Como solucionar o desgaste das prorrogações? A Fifa deveria desenvolver outro modo de decidir classificações ou teria que permitir aos treinadores modificarem mais vezes suas equipes? O técnico do time sub-20 do Grêmio, André Jardine, não é favorável ao Gol de Ouro – Morte Súbita – utilizada nas Copas de 1998 e 2002

- O Gol de Ouro deixa as equipes muito retrancadas, com medo de sofrer o gol. O ideal seria uma prorrogação com mais substituições. A prorrogação exige muito da parte física. Fica evidente o absurdo de só poder fazer três substituições – opina Jardine.

E se a Fifa permitisse uma quarta substituição para cada equipe em caso de prorrogação? O ex-zagueiro, hoje treinador, Bruno Saymon, é outro que concorda com um número maior de substituições.

- Seria uma ótima idéia, pois a exigência dos atletas está sendo muito grande. Agora, quanto a acabar com a prorrogação no futebol, é uma pergunta a ser dividida com os atletas. Particularmente, acredito que seria muito bom porque evitaria o desgaste. Mas, para quem organiza o espetáculo, a prorrogação é mais rentável – observa Bruno.

Cristian Souza, técnico do time sub-20 do Figueirense, estudioso do futebol, não é favorável tão somente à quarta substituição.

- Três alterações é muito pouco, independentemente da prorrogação. Teria que ser liberado o “entra-e-sai” do jogador, o que seria fantástico para a qualidade do jogo e o trabalho coletivo. Seria emocionante, no aspecto da torcida. Mas, reconheço que seria uma mudança drástica – afirma Cristian.

As substituições, em Copas do Mundo, eram proibidas até 1970, quando a Fifa passou a permitir duas trocas por seleção em cada partida. A terceira substituição foi implementada na Copa de 1994, mas uma delas era exclusiva para o goleiro. A terceira troca, sem restrição de posição, passou a valer na Copa de 1998.

Fotos: Divulgação

Legenda: André Jardine, Bruno Saymon e Cristian de Souza defendem mais substituições no jogo de futebol

Voltar